Menu

Permacultura

 

 

 


O que é Permacultura?

Em poucas palavras, dizemos que Permacultura é: um sistema de planejamento para a criação de ambientes humanos sustentáveis. Seus princípios teóricos e práticos são uma síntese das práticas agrícolas e conhecimentos tradicionais e das descobertas da ciência moderna visando o desenvolvimento integrado da propriedade.

A Permacultura oferece as ferramentas para o planejamento, a implantação e a manutenção de ecossistemas cultivados no campo e nas cidades, de modo a que eles tenham a diversidade, a estabilidade e a resistência dos ecossistemas naturais. Alimento saudável, habitação e energia devem ser providos de forma sustentável para criar culturas permanentes. Exemplos: banheiro seco, construções com bambú, taipa, pau a pique etc..

Por que Permacultura?

Porque tendo como base o planejamento consciente, a Permacultura torna possível, entre outras coisas, a utilização da terra sem desperdício ou poluição, a restauração de paisagens degradadas e o consumo mínimo de energia. Quando a ação do permacultor se volta para áreas agrícolas, o resultado é a reversão de situações dramáticas de degradação sócio-ambiental. Todo sistema permacultural deve evoluir, com designs arrojados, para a construção de sociedades economicamente viáveis, socialmente justas, culturalmente sensíveis, dotadas de agroecossistemas que sejam produtivos e conservadores de recursos naturais.

A Permacultura exige uma mudança de atitude que consiste basicamente em fazer os seres humanos viver de forma integrada ao meio ambiente, alimentando os ciclos vitais da natureza. Como ciência ambiental, reconhece os próprios limites e por isso nasceu amparada por uma ética fundadora de ações comuns para o bem do sistema Terra. Os australianos Bill Mollison e David Holmgren, fundadores da Permacultura nos anos 70, buscaram princípios éticos universais surgidos no seio de sociedades indígenas e de tradições espirituais, que estão orientados na lógica básica do universo de cooperação e solidariedade.

Características da permacultura:

• É possível o uso da terra em pequena escala. 
• O uso da terra é intensivo e não extensivo. 
• Há diversidade nas espécies de plantas, variedades, produtividade. 
• O prazo longo, um processo evolucionário (várias gerações). 
• Os elementos integrantes do sistema são silvestres ou pouco selecionados (tanto animais como vegetais). 
• Possibilita a integração da agricultura, pastoreio, reflorestamento, realizando uma verdadeira engenharia ecológica; 
• É adaptável a terras marginais, pantanosas, rochosas ou inclinadas, inadequadas a outros sistemas.

Artigo: A Permacultura para o Desenvolvimento Sustentável do Brasil

A Permacultura é muito mais do que uma moderna ciência holística de desenvolvimento sustentável, mas uma concepção e filosofia de vida ecológica e ambiental considerada mais próxima das aspirações do III milênio, e que desenvolve uma cultura sustentável que integra inicialmente a arquitetura, a engenharia, a ecologia, agronomia e a nutrição, de uma maneira inter e transdisciplinar, que objetiva utilizar da melhor forma os recursos naturais renováveis possibilitando a formação de cidades, aldeias sociais, condomínios e fazendas estruturadas com padrões de sustentabilidade agrícola mais permanentes e de menor gasto de energia e de trabalho para a sua manutenção. 

Sobretudo que valorizem a manutenção das florestas e da vida natural, fazendo o habitat humano adaptar-se a realidade natural que o circunda. Parte da premissa de que a natureza é que possui a pureza e o poder de manter seu planeta em harmonia com o Universo. Assim a Permacultura objetiva também levar a sociedade humana a pulsar este grau de harmonia e concepção espiritual. Desde o planejamento da casa e do ambiente, utilização inclusive econômica e sustentável das florestas e das matas, de materiais recicláveis e de sistemas muito eficientes de reciclagem de resíduos, diversificação produtiva, produtos de ponta e de alta qualidade como castanhas, óleos, resinas, passas, remédios e produtos farmacêuticos industriais, que possam remunerar melhor os produtores e tragam uma maior auto-suficiência à propriedade e da economia social e familiar, são os aspectos observados nesta importante e muito avançada escola de desenvolvimento e prática de um ritmo e concepção de vida mais sustentável do 3o. milênio. 

Por isso ampliou-se mais em países mais jovens e mais sustentáveis como a Austrália, Tasmânia, Estados Unidos, e no Brasil em GO, SP e BA. A Permacultura busca rejuvenescer amplamente o ecossistema, reproduzir suas cadeias alimentares e níveis tróficos mais naturais, manter e investir em seus clímax florestais, introduzindo parâmetros de maior cultivo e maior integração de espécies com um maior valor e aproveitamento econômico, energético e alimentar, e pode ser muito bem desenvolvida e ampliada no Brasil. A diferença da Permacultura para a Agroecologia e a Biodinâmica está que a Permacultura inclui necessariamente o uso sustentável e a convivência direta com as florestas e os modelos sociais que este relacionamento permite, a formação das ecovilas são estratégicas, as lavouras, hortas, participam do projeto permacultural em áreas estratégicas. Já a agroecologia e a biodinâmica priorizam normalmente a produção de alimentos e modelos mais tradicionais, que envolvem a formação de sítios e fazendas ou modernas e sustentáveis empresas agrícolas. 

É bom lembrar que o criador da Permacultura, Sr. Bill Mollison, há mais de 30 anos começou a criar e a manter cidades que desenvolvem modelos sustentáveis de vida na Austrália e em muitos países, e recebeu pela destacada importância e seriedade de sua obra, o 1o. prêmio Nobel Alternativo do Mundo. Bill publicou dezenas de artigos, livros e manuais de Permacultura. Destaca-se em sua obra o aproveitamento das condições solares, eólicas e de matérias alternativos para a construção das casas. As principais novidades que a Permacultura propõe são:

1- O Conceito de Permanência Ecológica ou seja, quando utilizarmos um material da natureza, que seja de boa qualidade e procedência, sendo aproveitado durante o maior número de tempo possível, assim permanecerá sendo útil por mais tempo semelhante às arquiteturas coloniais dos séculos passados. Assim evita-se consumir e poluir ainda mais o planeta. É diferente a bionergia de uma construção, que utiliza um bom tijolo, ou adobe ou mesmo palha do que uma casa feita com cimento e concreto, são estas coisas que a Permacultura se preocupa.

2- O Conceito de Comunidades e Vilas Sustentáveis Rurais e Urbanas ou Ecovilas: cada vez mais pessoas se unem com propósitos de proteção, evolução espiritual, economia ecológica e formam comunidades auto-sustentáveis. A Permacultura valoriza muito este tipo de organização social.

3- O Conceito de Adaptação Ecológica: a Permacultura propõe uma cultura que valoriza as florestas, berço e mãe da evolução da sociedade humana, que saiba protegê-la, conviver com sua vida e mistérios naturais, ainda aproveite seus recursos sustentáveis e renováveis, desta forma poderá alcançar um nível de qualidade de vida superior ao encontrado nas grandes cidades que em sua maioria estão em processos acentuados de degradação.

4- O Conceito de Aproveitamento Máximo dos Recursos Naturais: básicos como a insolação, que pode aquecer paredes, células de energia solar, pomares, hortas; trazendo economia de energia; a energia dos ventos com o uso de cata-ventos, cercas vivas, pomares, pastos com árvores, divisores de cultivos arbóreos; aproveitamento da chuva com o uso de caixas de água receptoras; aproveitamento de resíduos humanos e animais; dos resíduos do encanamento da casa para pomares; uso de telhados vivos vegetais; uso de materiais alternativos para a construção das casas com adobe, solo cimento, cascas de arroz, papel, cascas de árvores, bambu, folhas de palmeiras e ferrocimento.

5 - Aumento da Biodiversidade: o permaculturista propõe um modelo mais holístico de aproveitamento de seu espaço, introduzindo um maior número possível de espécies vegetais que quando combinadas, podem adicionar receitas importantes no sistema. Obviamente que se evita a introdução de espécies mais exóticas ou que impactuem com a realidade do sistema ambiental e natural existente.

6- Apicultura e Animais Silvestres: muito valorizada na Permacultura. A criação de animais silvestres está em voga no Brasil, sendo muito importante para a recuperação e proteção do meio ambiente, alem de trazer respostas econômicas à realidade da necessidade de um melhor aproveitamento das florestas e matas nas propriedades rurais. O dia que o Brasil despertar para o imenso retorno que a criação de animais silvestres poderá gerar em múltiplos sentidos sobretudo nas reservas extrativistas da Amazônia legal, teremos um novo boom econômico e muito interessante por agradar e impulsionar as novas gerações em toda a América Latina. Inclusive a Agroecologia e a Biodinâmica na Amazônia ainda são incipientes, os modelos de extrativismo tradicionais são dominantes, baseados sobretudo na colheita da borracha e no corte de madeira. O uso do próprio adubo orgânico dos animais não está sendo aproveitado corretamente, e com as chuvas torrenciais, a fertilidade dos solos é perdida crescentemente ano-a-ano.

7- Ruas e Cercas Vivas Arborizadas com pomares nas cidades e campos: para combater a fome e a subnutrição a permacultura advoga o plantio intenso de árvores, que regeneram a paisagem erodida, combatem perda de umidade e o vento excessivo, trazem repovoamento da fauna e recuperam o lençol freático. Em uma estrada de 2 km de terra ou asfalto de acesso pode-se cultivar mais de 5.000 frutíferas como mangueiras, abacateiros, pereiras, araucárias, mamão, maracujá na cerca de arame.