Mundo da Keka || Química
Menu
Lumínol

Luminol e os crimes misteriosos


Muitos crimes, sobretudo assassinatos, deixam de ser solucionados por falta de provas conclusivas. Hoje em dia, a identificação do DNA de vítima e/ou agressor auxilia de forma determinante na obtenção dessas provas. Entretanto, o criminoso procura na maior parte das vezes executar o chamado "crime perfeito", sem deixar rastros visíveis. Trabalham talvez com luvas, com o propósito de não deixar impressões digitais e caso disponham de tempo e condições, limpam e lavam todo o ambiente no qual o crime foi cometido. Das armas, ou possíveis instrumentos usados no ataque fatal, são também meticulosamente retiradas quaisquer manchas ou partículas de sangue.

A chamada Química Forênsica, ou Criminalística, entretanto, dispõe hoje de poderoso auxiliar capaz de achar e identificar quantidades mínimas de sangue, mesmo quando completamente invisíveis a olho nu ou com instrumentos óticos comuns, em locais de onde foram retiradas cuidadosamente.

A substância luminol permite esse "quase" milagre, fornecendo uma coloração brilhante azul esverdeada quando entra em contato com sangue, mesmo quantidades mínimas ou após muitos anos passados.

O luminol permite detectar sangue na proporção de uma parte em um milhão (assim como uma gota de sangue em 999.999 gotas de água).

Como e por que isso ocorre?

O sangue humano contém um pigmento, a hemoglobina, cuja função consiste em transportar o essencial elemento oxigênio por todo o corpo.


Heme, parte da molécula de hemoglobina contendo
um átomo de ferro (verde).

O sangue, ou melhor, a hemoglobina contendo o elemento ferro vai promover uma interessante reação quimiluminescente - produção de luz devido a uma reação química.

O luminol é um composto orgânico usualmente obtido como um pó. Quando se mistura esse pó com peróxido de hidrogênio (água oxigenada, um poderoso oxidante) e com uma base (hidróxido), na presença de um catalisador, ocorre a emissão de radiação luminosa. Existem vários catalisadores que permitem a observação de luz, porém a hemoglobina encontrada no sangue é o mais poderoso, mostrando uma intensa luz azul esverdeada. Dessa forma é possível detectar quantidades mínimas de sangue - processo científico usado pela Criminalística.

Na hipótese da presença de traços de sangue, o ferro da hemoglobina acelera a reação de oxidação ocorrente entre a água oxigenada e o luminol. Nessa reação, o luminol perde átomos de nitrogênio e de hidrogênio e ganha átomos de oxigênio, resultando num composto conhecido como 3-amino-ftalato. Os elétrons presentes nos átomos de oxigênio são, no momento da reação, promovidos a orbitais mais altos, porém, muito rapidamente voltam a um estado mais baixo, emitindo energia sob a forma de um fóton luminoso.

A Quimiluminescência é exatamente isso: a produção de radiação eletromagnética sob a forma de luz como resultado da liberação de energia por uma reação química. Essas reações são conhecidas como reações quimiluminescentes, e envolvem geralmente compostos sintéticos em contato com oxidantes fortes como o peróxido de hidrogênio.

Fonte: © Editora Moderna