Menu
Metano

CH4

O metano é um composto orgânico formado por 1 átomo de Carbono e 4 átomos de Hidrogênio, através de ligações covalentes. É um gás inodoro, não-tóxico e inflamável (combustível). É formado em ambientes naturais, através da decomposição da matéria orgânica, como pântanos. Pode ser produzido também em locais onde há decomposição de matéria orgânica, como em aterros, lixões, sendo chamado de gás do lixo ou Biogás.


Metano

É o principal componente do Gás Natural. É uma energia de origem fóssil, resultado da decomposição da matéria orgânica fóssil no interior da Terra, encontrado acumulado em rochas porosas no subsolo, freqüentemente acompanhado por petróleo, constituindo um reservatório. Por estar no estado gasoso, o gás natural não precisa ser atomizado para queimar. Isso resulta numa combustão limpa, com reduzida emissão de poluentes e melhor rendimento térmico, o que possibilita redução de despesas com a manutenção e melhor qualidade de vida para a população.

O gás natural, após tratado e processado, é utilizado largamente em residências, no comércio, em indústrias e em veículos (GNV). Nos países de clima frio, seu uso residencial e comercial é predominantemente para aquecimento ambiental. Já no Brasil, esse uso é quase exclusivo em cocção de alimentos e aquecimento de água. Na indústria, o gás natural é utilizado como combustível para fornecimento de calor, geração de eletricidade e de força motriz, como matéria-prima nos setores químico, petroquímico e de fertilizantes, e como redutor siderúrgico na fabricação de aço. Na área de transportes, é utilizado em ônibus e automóveis, substituindo o óleo diesel, a gasolina e o álcool. Tem a vantagem de ser uma fonte “limpa” de energia e é fácil de transportar. Por ser um combustível fóssil, é considerado uma fonte de energia não-renovável.

O metano é um dos gases que aprisionam o calor da Terra na atmosfera, esquentando o planeta. Faz isso com uma eficiência 30 vezes maior que o gás carbônico (CO2), o principal causador do efeito estufa. Em compensação, suas concentrações são bem mais baixas: andam hoje em torno de 1.770 ppb (partes por bilhão), enquanto as de CO2 se medem em partes por milhão. Além disso, ele dura bem menos tempo na atmosfera: oito anos em média, contra 150 do gás carbônico.

Fonte:

http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u15556.shtml